Amares é um concelho do distrito de Braga, entre os rios Homem e Cávado. Em plena região de Vinhos Verdes, é um destino que conjuga um património rico com paisagens abertas e experiências únicas. Fiz a minha licenciatura na Universidade do Minho em Braga, mas ainda não conhecia esta terra senão nas palavras de uma boa amiga amarense. Agora que a descobri, deixo-vos 8 boas razões para visitar Amares.

1. Visitar os Mosteiros

Apesar de ser uma localidade pequena, Amares tem dois grandes mosteiros e um Santuário.

O Mosteiro de Santo André de Rendufe

O Mosteiro de Santo André de Rendufe faz parte dos mosteiros masculinos antigos da Ordem Beneditina. Chega-se ao mosteiro por um grande terreiro. De estilo barroco e neoclássico, tem um coro alto que permite uma visão panorâmica da igreja.
Os românticos como eu vão adorar os claustros ajardinados, com um chafariz, várias cameleiras e canteiros de granito, forrados por um manto de musgo aveludado. Parte deste mosteiro pertence à Quinta d’Amares. A Quinta tem a maior extensão de vinhas de Vinho Verde amuralhadas. Sobre elas, ergue-se um grande aqueduto, que fornecia a água ao Mosteiro.

Recentemente foi descoberto e escavado, no andar inferior do mosteiro, um grande refeitório monástico, que agora está aberto ao público. No amplo espaço, podemos imaginar a refeição dos monges beneditinos, em silêncio, olhos postos em baixo, ouvindo o monge leitor que do púlpito lia a Bíblia ou outras obras sacras. Os monges tinham de ser frugais na alimentação, cientes de que deviam comer para ter saúde e poder servir na religião.

O Santuário de Nossa Senhora da Abadia

 

No alto de Bouro Santa Maria, este santuário mariano do século XVIII tem uma imponente fachada e um grande altar en talha dourada, além de um belíssimo órgão de igreja.
Conta a lenda que a imagem Virgem Maria que estava no primitivo Mosteiro das Montanhas ali existente no século IX, e desaparecida há muito,escondida pelos ermitas na altura da invasão árabe, teria sido encontrada num penedo por Frei Lourenço e seu companheiro Paio Amado após o aparecimento de uma luz misteriosa a indicar a sua localização. A imagem estava escondida numa gruta que ainda hoje se pode visitar. Quando eu me preparava para ser fotografada na gruta alguém disse: “Apareceu de novo a santa!” Daí a minha cara de riso na foto abaixo

 O Santuário está imerso numa paisagem salpicada de riachos e fontes e é um bom ponto de partida para caminhadas seguindo o percurso das capelas de via-sacra, através do bosque.
 

O Mosteiro e Pousada de Santa Maria de Bouro

O Mosteiro e Pousada de Santa Maria de Bouro, fundado no século XII, pertenceu à Ordem de Cister e tem uma sacristia decorada a azulejos do século XVIII que retratam a vida de S. Bernardo. Parte do mosteiro foi adaptada para Pousada de Portugal e é por isso uma unidade hoteleira de referência.

2. Passear a cavalo entre as vinhas

A ideia de passear a cavalo entre as vinhas da Quinta d’Amares, junto ao Mosteiro de Santo André de Rendufe foi o que me fez aceitar o convite do Turismo do Porto e Norte para visitar Amares para a mostrar aos meus leitores. Apesar do tempo frio e da chuva, vivi a experiência de passear em Amares como uma nobre de outros tempos.

Este passeio é possível graças à recém-criada Portugal Riding Holidays, sediada na Quinta do Lamoso. Além dos passeios a cavalo, na Quinta d’Amares e noutros percursos, a empresa da simpática Susana Campos tem pacotes turísticos, sempre com actividades equestres, que incluem refeições e alojamento, como o pack “Vinhos Verdes” e outros pensados para as famílias.
 

 3. Caminhar na Geira romana

Os adeptos das caminhadas têm em Amares vários percursos possíveis. Imperdível mesmo é caminhar sobre pedras da era romana, na Geira. Esta via romana com cerca de dois mil anos ligada Bracara Augusta (Braga) a Asturica Augusta (Astorga), que an altura eram as capitais do Noroeste Peninsular. Parte dessa via situa-se em Amares, entre o Lugar de Via-Cova, em Paredes Secas e Santa Cruz, em Seramil.

4. Relaxar nas Termas de Caldelas

Quase a completar 100 anos, as Termas de Caldelas, completamente renovadas e modernizadas, no monte de S. Pedro Fins, com uma paisagem idílica onde não raras vezes se avistam cavalos garranos selvagens. As suas águas, captadas em várias nascentes naturais a temperaturas entre os 22º e os 33º, têm excelentes propriedades terapêuticas. Os programas termais das Termas de Caldelas incluem pacotes com alojamento no Grande Hotel da Bela Vista, ligado ao recinto termal através de um elevador exterior.

 5. Mergulhar nos rios e contemplar as pontes medievais 

Amares tem duas pontes medievais: a quatrocentista Ponte do Porto, em Prozelo, sobre o rio Cávado e a Ponte de Rodas, sobre o rio Homem, também medieval. Ambas conferem um cenário encantado a um passeio pelas margens dos rios de Amares.

6. Saborear a Gastronomia minhota e as laranjas de Amares

Todos os anos em Fevereiro acontece o Festival das Papas de Sarrabulho de Amares, que já faz parte da rota gastronómica do Norte do país. Esta iguaria minhota à base de carnes de porco e galinha e enchidos consola mesmo os mais ávidos comensais e Amares empenha-se em servir as melhores receitas deste prato.
 
Outros pratos típicos são as trutas, o pica-no-chão e o cabrito, além de muitas variedades de pratos bacalhau.
Quanto às sobremesas, Amares é conhecida pelas suas suculentas laranjas de casca fina. Saboreá-la fresca é um deleite e deixo-vos aqui uma curiosidade: as laranjas de Amares são mais saborosas e sumarentas nos meses sem “r”, ou seja, de Maio a Agosto.
Estas deliciosas laranjas são ainda sabor a um irresistível pudim de laranja e são o ingrediente principal da marca local Quelha Branca, com magníficas compotas, chutneys bolachas e licores de laranja.

7. Provar os vinhos verdes

A harmonização da gastronomia minhota pede um bom Vinho Verde. E em Amares encontra bons exemplares deste vinho, produzido sobretudo com a casta loureiro para os brancos e as castas Vinhão e Borraçal para os tintos. As Quintas d’Amares e Casa Lata recebem os visitantes para provas de Vinhos Verdes em cenários tipicamente minhotos. A primeira, num ambiente de solar e a segunda no conforto de uma casa rural renovada.
Estas são 7 razões para visitar Amares, mas a todas elas é transversal uma razão maior. É que Amares fica no Minho e estar no Minho é estar entre gente quem sabe receber de braços abertos, genuinamente, sem máscaras ou poses, que se orgulha de pertencer a uma das mais bonitas e antigas regiões de Portugal. Acreditem em mim, que falo na primeira pessoa porque sou minhota, de Viana do Castelo, e esse legado faz parte de mim. E é um prazer reencontrá-lo em casa regresso ao Minho.